domingo, 8 de maio de 2016

Por que eu moro na Croácia?

Toda vez que alguém me pergunta por quê eu moro na Croácia a minha resposta é sempre a mesma: a segurança. Semana passada saí com uns ex-estudantes e voltamos às 2 da manhã, a pé até a parada de ônibus, 40 minutos, e depois pegamos todos o mesmo ônibus, desci e vim caminhando sozinha 15 minutos até a minha casa, sem medo! A sensação era a de liberdade, de poder estar ali numa rua vazia, só eu, o cheiro das flores de bazga (das quais se faz um suco muito bom) e as estrelas. 
É nesses momentos e quando me acordo dos pesadelos que tenho com certa frequência que me certifico mais ainda a escolha que fiz ao morar aqui, longe da minha família, amigos, terra, comida, da minha gente. Durante o dia também me dou conta disso ao passear a pé ou de bicicleta com a minha filha, observando a natureza, brincando nos parquinhos e andando sem preocupação. Para mim isso é indispensável, mas isso é muito pessoal. Espero de coração que as coisas no meu país melhorem e que um dia nossos filhos ou netos possam novamente poder andar livremente pelas ruas sem medo e sem perigo.


Fonte da imagem: http://www.aerolit.hr/zagreb-i-partneri/#jp-carousel-3288

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Glamping em Bled!

Pela primeira ficamos alojados em "barracas luxuosas", glamping, algo que não conhecia até então. Nada mais é que barracas com uma infraestrutura bem legal e charmosa por dentro. Lembra aquelas dos índios norte-americanos, enormes, altas e uma decoração linda! Ficamos em Bled, cidadezinha que adoro, num início de primavera bem gostoso.
O local Garden Village Bled http://gardenvillagebled.com/en/accommodation/glamping_tents é lindo, cheio de barracas e com casas nas árvores! Sempre quis conhecer uma e passar uma noite lá, mas todas estavam reservadas! O que mais me chamou a atenção, além do lugar ser lindo, são as áreas verdes cobertas de plantas comestíveis! O restaurante serve comida com os ingredientes da estação e da sua própria horta e é uma delícia! Tem parquinho pra crianças e um riachinho bem legal.


Fontes das imagens: www.slovenia-trips.com e tripadvisor.com

segunda-feira, 28 de março de 2016

Que horas ela volta?

Um filme que me surpreendeu e me fez refletir muito sobre a nossa sociedade! Vale a pena assitir!



segunda-feira, 14 de março de 2016

África: Um Continente sem História?

Ao preparar aula encontrei este fantástico vídeo sobre a discussão sobre a África, África: Um continente sem história? Vale muito a pena ver a primeira parte do Emir Sader, meia hora e sua esclarecedora explicação sobre a visão atual do continente africano!


quinta-feira, 10 de março de 2016

Como eu conheci o quarto montessoriano

Deixando a viagem de lado um pouquinho, queria compartilhar como eu conheci o método montessoriano e como me encantei por ele. Foi há três anos quando estava procurando ideias pro quarto da Maíra e descobri numa reportagem do Ig o "quarto montessoriano" http://delas.ig.com.br/filhos/2012-11-01/seu-filho-precisa-mesmo-de-um-berco.html ! A ideia de um quarto sem berço e que a criança fica livre para brincar me agradou muito. Desde então, tenho posto em prática muita coisa e lido blogs e livros para saber mais sobre o tema. 
Gostaria de compartilhar os livros que tenho lido, pois acho que tem pouquíssimo material em português e muitos inglês, mas é difícil saber o que realmente vale a pena ler. Já de blogs também é o mesmo e os que mais gosto são os howwemontessori.typead.com e http://sewliberated.typepad.com/ 
Livros imperdíveis pra quem quer educar o seu filho com o método montessoriano para mim são:
1.Montessori from the start: The child home, from birth to age three
2. How to raise an amazing child the montessori way
3. The joyful child: Montessori, global wisdom for birth to three
4. Child of the world: Montessori, global education for age 3-12+
Acho interessante ler a própria Maria Montessori, a criadora do método, recomendo A mente absorvente. 
Boa leitura!
P.S No blog da Luísa, minha amiga, tem um artigo bem legal pra saber mais sobre o quarto montessoriano: https://blogdamamaesustentavel.wordpress.com/2013/08/19/quarto-sustentavel-para-bebe/
Fonte: Mama liberated

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Aix en Provence: paixão à primeira vista

Quanto mais viajava pela França, mais gostava e achava estranho o por quê que as pessoas achavam os franceses grossos. Mais tarde viria a ver que se trata dos parisienses e não do povo todo!
Aix en Provence foi paixão à primeira vista! Foi muito rápido, mas muito intenso. Passamos só uma noite e uma manhã, mas foi o suficiente para deixar com um gostinho de quero mais!
Me lembro que fiquei encantada com a charmosa iluminação das ruas, como é gostoso conhecer uma cidade à noite e com uma temperatura agradável! Fora o fato de não ter segurança nas ruas e não sentir medo de andar livremente! Uau!
Jantamos num lugar barato, isso é, 5 euros por um prato de comida! Podíamos escolher o tipo de massa e de molho. Caminhamos na frente de uma igreja que estava tendo um conserto e entramos. Eu não podia acreditar naquela cena: eu sentada na igreja, sábado à noite, o que está acontecendo comigo, meu deus!!!
No dia seguinte, fomos ao Museu do Cézanne, um pintor pós-impressionista de lá, cujas obras acho muito bonitas. Achei lindo o lugar e as pinturas.
Bem, do pouco tempo que fiquei na França fiquei com a sensação de que poderia conhecer toda ela e que iria adorar, pois tudo é muito lindo! Paris estava no meu roteiro daqui a algumas semanas e aí sim poderia conhecer de perto a famosa cidade e a fama dos franceses!


segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Avignon: uma ótima surpresa

Até aquela viagem, nunca tinha ouvido falar sobre Avignon. Depois que cheguei é que fui saber um pouco mais.
Avignon é uma cidade conhecida por ter sido por muitos anos a residência dos papas. Seu Palácio dos Papas é enorme, incrível. A cidade é cortada por um rio, o que viria a perceber nas próximas viagens que adoro ver nas cidades europeias. Ficamos em um hostel e pela primeira vez percebi como que é importante a companhia para viajar, ou seja, é preciso ter interesses em comum e ritmos parecidos, se não, cada um quer ir para um lado e não se vê nada! Os primeiros desentendimentos aconteceram ali, entre nós, mas conseguimos contornar e seguir a viagem tranquilamente, 
Não gosto de turismo religioso, mas não pude deixar de apreciar a arquitetura e sua magnitude. A partir daquela viagem comecei a perceber a energia que tem nas igrejas e tentar entender o por quê que as pessoas buscam tais lugares para encontrarem a sua paz. Como estudei história e sou bem cética, não consigo acreditar na Igreja como instituição, mas respeito.
Adorei passear pelas suas ruas estreitas, casas charmosas e natureza colorida. Me lembrei muito do meu ex, pois ele teve uma forte relação com a igreja. Tudo me parecia tão intenso e não conseguia entender como é que ele pôde um dia fazer parte daquele mundo...
A cidade me surpreendeu e saí de lá curiosa para ver como seria a terra de Cèzzane, Aix in Provence!